Da curiosidade, da inquietação, da pergunta insistente, por vezes, surge a necessidade de fazer literatura. De uma dúvida nasce uma história. A partir de uma história, uma dúvida é suscitada. E por aí vai, indagação e narrativa unidas por um só nó. 

Escritores são mesmo gente de questionamento e, por isso, não foram poucos os que participaram dos Encontros de Interrogação, série do Itaú Cultural. Veja abaixo cinco autores que já integraram essa programação, cada um fomentando o debate sobre um tema importante relativo à esfera literária e ao ofício com as palavras.

Clique aqui para assistir a outras conversas da série Encontros de Interrogação. 


Michel Laub

O escritor Michel Laub fala sobre a exposição dos autores em entrevistas e festivais – o excesso que leva a repetições e mentiras, o ato de olhar a si mesmo de uma perspectiva externa. Perguntas novas e diferentes vão se tornando cada vez mais raras; pensando nisso, o escritor elabora uma lista de dez perguntas que nunca foram endereçadas a ele. Fala também sobre as intersecções entre escritor e obra e as limitações formadoras de estilos.


Milton Hatoum

O escritor Milton Hatoum fala de sua grande questão: a linguagem. Comenta suas principais referências para o estudo do fazer literário, em relação a planejamento, expectativa e realidade, relações entre personagens principais e secundários. Ele cita o curador do evento, Lourival Holanda: “A literatura sempre paga um dízimo à realidade”.


 

Raimundo Carrero

O escritor Raimundo Carrero relata sua experiência com a música – da qual surgiu sua literatura. Suas primeiras leituras foram nas partituras. Ele fala da importância do tom e do ritmo, da técnica imprescindível à boa literatura, da habilidade de Machado de Assis e de sua maestria na escrita do romance Dom Casmurro. Comenta também as diferenças entre jornalismo e criação literária.


Alice Ruiz

Vinda de uma geração "que se viciou em rupturas", a poeta Alice Ruiz fala sobre a sua atual carência de questões. Percorrendo temas como influência, inspiração e conspiração, ela comenta o que define como atitudes reativas e opressivas aos avanços alcançados nos campos da liberdade e do direito ao próprio corpo. Crise e criação, o haicai como movimento oposto às questões e letras de música são alguns dos outros temas abordados.


 

Bruna Beber

Bruna Beber apresenta uma divertida série de diálogos que circulam irônica e recorrentemente ao redor de poetas iniciantes e experientes.

Veja também

Jarid Arraes, um certo alguém

“Faço o exercício de não pensar muito no futuro. Viver com a cabeça esticada para o amanhã pode causar uma dor danada”, diz a escritora