por Amanda Rigamonti

Coloque os fones de ouvido, abra este link e dê o play.

Um show preparado em isolamento social feito para ser escutado quando se está só. Que fala sobre o tempo. Que propõe uma imersão sonora completa. A voz cadenciada de Ivana Siqueira se confunde com os sons que são transmitidos e que passam de um fone para o outro, fazendo parecer que surgem dentro da nossa cabeça. Fazendo parecer que estamos em movimento, mesmo que parados, com os olhos fechados, acompanhando a trajetória que Ivana nos propõe. A trajetória dela. De Aivan. De Ivana.

A verdade é que eu queria cantar, e não dizer como eu me chamo.

SOBRE NOME é uma obra sonora selecionada pelo edital Arte como Respiro. O trabalho é uma construção coletiva da cantora Ivana Siqueira e do escritor João Turchi e, como tanta coisa planejada antes da pandemia de coronavírus, era para acontecer ao vivo, em formato de show-instalação. Com a impossibilidade do presencial, a obra ganhou outra dimensão e outro espaço: o digital. Assim, João escreveu e Ivana gravou. Somaram-se a esse desafio Bio Riff, arquiteto que trabalha com instalações audiovisuais, Juliana Bucaretchi, diretora de arte, e Glau Rossi, mixagem.

SOBRE NOME, no entanto, vai para além de uma gravação. A obra foi criada neste ano, mas ela surgiu graças ao encontro de João e Ivana/Aivan por meio do grupo Mexa, que desde 2015 realiza ações que transitam entre arte e política e é formado por pessoas em situação de vulnerabilidade e em situação de rua e por membros da comunidade LGBTQIA+. João atua no grupo como escritor. Em 2017 Ivana/Aivan ingressou no Mexa para participar de um projeto que era uma espécie de musical itinerante dentro de um ônibus de linha, conta João. E ele se encantou por Ivana no instante em que ela cantou. “Ela começou a cantar e virou essa grande presença nessa performance e eu fiquei completamente apaixonado por ela cenicamente.”

Quem é Ivana?

Em suas próprias palavras: “Ivana, que na verdade é Aivan, meu nome de registro ao contrário, não necessariamente, mas as mesmas letras formam Ivana. Ivana é Aivan. É uma pessoa. É artista. Mas sem rótulos de mulher trans, na verdade eu não gosto nem do rótulo de travesti. Apenas Ivana ou Aivan”.

Ivana, ou Aivan, é pernambucana, do sertão de Pernambuco. Nunca fez aula de canto, mas teve a música sempre presente em sua vida. Começou a cantar aos 19 anos com um conjunto de sua cidade. “Eu cantava de tudo, exceto inglês, porque eu não falo inglês e eu não gosto de cantar aquilo que não sinto e que não sei o que estou cantando, porque eu gosto de cantar com alma e de passar a mensagem.”

A cantora e protagonista do projeto conta que vem passando por um processo de desconstrução: “A desconstrução se baseia na minha parte física e também, obviamente, no nome que adotei, o nome social. Eu fiz a transição tardia, e cheguei a colocar silicone nos seios, então tenho silicone industrial que quero e pretendo tirar, porque aos 50 e tantos anos eu descobri que para me sentir feminina não necessariamente tenho de ter peito ou cabelo comprido, tudo está na minha mente”, conta. Mas completa que seguirá usando os dois nomes.

Nome e sobrenome

SOBRE NOME nasceu da vontade de compartilhar a construção identitária travesti de Ivana, a escolha do seu nome e sobrenome e como as canções de seu repertório marcam sua vida. A partir de suas múltiplas vozes, gravadas por WhatsApp, Ivana discute sua biografia entrando na intimidade de quem a ouve, criando um espaço de trânsito entre ela e o outro.

Mas, especialmente, a obra é fruto da escuta atenta de João perante a história de Ivana/Aivan. Graças a essa escuta, João conheceu de perto esse movimento da artista e suas reflexões a respeito das questões de seu gênero e nome e pôde construir o texto que é SOBRE NOME. “A Ivana tem essa questão com o nome dela, e a gente estava conversando sobre isso e sobre essa possibilidade de transitar entre nomes, de transitar entre performances, de quem ela é, de gênero, pessoais, artísticas, e aí a história da narrativa dela, passando pela escolha do nome e como esse nome interferiu nas construções poéticas/afetivas dela Eu sempre achei muito incrível, então a gente sempre teve esse desejo”, conclui João.

Ivana/Aivan Siqueira (imagem: Fabio Riff)
Veja também