Classificação indicativa: Livre

Inspirado pelo movimento da maré, um flutuar sem fim, o solo da atriz Bel Souza apresenta a figura de Iemanjá, divindade do candonblé, e seus aspectos simbólicos, arquétipos e sensoriais. O espetáculo questiona também as fronteiras entre contempoâneo e ancestral, palco e plateia. 

Odoyá com Bel Souza [com intepretação em Libras]
domingo 2 de setembro de 2018
às 19h
[duração aproximada: 32 minutos]
Sala Multiúso (piso 2) – 70 lugares

Entrada gratuita

distribuição de ingressos
público preferencial: uma hora antes do espetáculo | com direito a um acompanhante – ingressos liberados apenas na presença do preferencial e do acompanhante
público não preferencial: uma hora antes do espetáculo | um ingresso por pessoa

Clique aqui para saber mais sobre a distribuição de ingressos.

[classificação indicativa: livre]

Veja também

Sobre o Sacrifício Ritual

Performance questiona a construção da identidade nacional por meio do símbolo da passista e suas negociações entre a sociedade, o corpo da mulher negra, a espiritualidade e o Carnaval
onde: Itaú Cultural

A cena negra em foco

O chamado teatro negro brasileiro nasceu da conscientização de que a ausência de negros e negras nos palcos não era uma questão individual, pessoal, de incapacidade, mas estrutural e coletiva. Para problemas coletivos, soluções coletivas