por Um Por Todos - Tulipa Ruiz

Minha mãe sempre gostou de canto coral. Quando morávamos em Minas, ela me pilhava para estudar canto. “Soprano”, descobri nas aulas. Cantamos juntas muitas vezes. No começo deste ano, ela voltou para Sampa. Foi a minha vez de incentivá-la a cantar. Aos poucos, ela está redescobrindo que o barato da cidade grande está na arte, nos encontros e na arte dos encontros.

Veja também:
>>Tulipa Ruiz no programa Cada Voz, da Enciclopédia Itaú Cultural

Animada, entrou para um pequeno e novo coral do Centro Cultural São Paulo (CCSP). Mamãe gostou da ideia de um grupo estreante e se encantou pela maestrina do coro, Marisa. Fui assistir a primeira apresentação do bando e aquela regente me pareceu familiar. Marisa… Marisa… Lembrei. Marisa Fonterrada, educadora musical, escritora, antropóloga, psicóloga e tradutora dos livros do compositor canadense Murray Schafer, inventor do conceito de paisagem sonora, pensado com a finalidade de analisar o universo sonoro que nos rodeia.

Havia entrevistado Marisa na minha época de jornalista, em um projeto de educação musical. Naquele tempo, eu ainda não cantava profissionalmente e estava completamente alucinada com o conceito de paisagem sonora. Tinha acabado de voltar de uma oficina de field recording na Amazônia, onde passei dias gravando sons naturais para depois manipulá-los no computador. Por conta dessa vivência, devorei os livros do Schafer e fiquei muito interessada em Marisa quando descobri que ela era sua tradutora no Brasil.

Lembro de sair da entrevista transbordada de admiração por ela. Que coisa balsâmica, anos depois, descobrir que ela é a regente do coral que minha mãe escolheu para cantar. Eu e minhas subjetividades nos emocionamos em uníssono. Saí da apresentação e fui correndo vasculhar minhas prateleiras virtuais para achar a entrevista que tinha feito com ela. Encontrei em um e-mail empoeirado. No papo, minha sede era saber sobre sua pesquisa com Schafer e sua experiência no ensino da música.

A entrevista não está no ar porque o site que a publicou na época não existe mais. Mas fiquei com vontade de compartilhá-la de novo, por conta da sintonia dos encontros, das sincronicidades e sobretudo por conta do atual desmanche na educação.

Com vocês, direto do túnel do tempo, a entrevista que fiz com Marisa Fonterrada em 2007.

Viva os encontros. E viva a música viva nas escolas.

Marisa Fonterrada – As fronteiras do silêncio

O despertar da escuta tem sido assunto entre diversos pesquisadores interessados no conceito de paisagem sonora. Paisagem sonora são as sonoridades que compõem um ambiente. As sonoridades de uma paisagem vão do ruído estridente da cidade grande até os sons de elementos que existem na natureza. Uma das pessoas interessadas nesse conceito é Marisa Trench de Oliveira Fonterrada, professora do Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista (IA/Unesp) que busca pensar o equilíbrio entre o homem e os sons presentes no ambiente sonoro. Mestra em antropologia e psicologia pela PUC/SP, a pesquisadora é autora de livros sobre educação musical e tradutora dos livros do compositor canadense Murray Schafer, inventor do conceito de paisagem sonora, pensado com a finalidade de estudar o meio ambiente sonoro.

Autora dos livros Música e Meio Ambiente – Ecologia Sonora (Irmãos Vitale, 2004) e De Tramas e Fios (Editora Unesp, 2005), que aborda o percurso histórico da educação musical no mundo, Marisa também ministra oficinas para professores que não são especialistas em música, mas se interessam por seu ensino em sala de aula e também por uma audição mais saudável.

A senhora é professora em qual disciplina na Unesp?

Eu estou aposentada, mas continuo trabalhando na pós-graduação. Antigamente, dava aula das disciplinas teóricas, como harmonia, contraponto, análise, teoria e trabalhava técnicas de musicalização na graduação, com os alunos da licenciatura. Quando me aposentei, fiquei só na pós-graduação, trabalhando com educação musical. 

Qual é sua ligação com o compositor canadense Murray Schafer?

É uma história longuíssima. Começou bem informalmente, na década de 1970, época em que eu dava aula na escola da Magda Tagliaferro [pianista brasileira considerada uma das maiores do século XX, fundadora da Escola Magda Tagliaferro, em 1940, e da Fundação Magda Tagliaferro em 1969]. Veio parar em minhas mãos um xerox dos livros do Schafer publicado na Argentina. Quando vi aquele material, fiquei encantada, porque eu tinha alunos adolescentes que não queriam ter aula de teoria musical. Então comecei a trabalhar com o conceito de paisagem sonora – com as sonoridades que compõem um ambiente – e gravar sons. Na época do gravador de rolo, podíamos reproduzir as gravações em diferentes velocidades. Era engraçado, gravávamos uma maraca, por exemplo, depois colocávamos em rotação lenta e ela se transformava no som de um caminhão despejando entulho. A velocidade e a manipulação do som mudavam a paisagem sonora. Na época, já conhecíamos o trabalho do Pierre Schaeffer falando de música concreta, e então juntávamos tudo [em 1948, o músico e engenheiro francês Pierre Schaeffer apresentou peças feitas a partir da gravação de sons e de sua manipulação por aparelhos, criando assim uma nova estética musical, a música concreta]. Eu tinha um interesse muito grande pelo trabalho do Schafer, mas não conseguia muito facilmente material para pesquisa. Consegui alguns livrinhos, que vieram a formar O Ouvido Pensante [coletânea de ensaios de Murray Schafer lançada pela Editora Unesp em 2003, com tradução da Marisa], mas que naquela época eram publicados separadamente. Aí passou essa época e o Schafer foi ficando longe da minha vida, fui para a Escola Municipal de Música, da qual fui diretora por nove anos. Quando fui dar aula em faculdade, apareceu a oportunidade de uma bolsa de estudos no Canadá, e eles falaram que eu tinha que citar alguém de lá. Lembrei do Schafer e escrevi para ele – não sabia nem para onde escrever, escrevi para a Universidade de Toronto pedindo para o diretor da faculdade de música localizá-lo, e mandei a carta junto. Ele encaminhou a carta ao Schafer, que me respondeu antes mesmo do diretor. Era uma bolsa de cinco semanas. Ele me fez um roteiro de trabalho para esse período, e eu só poderia encontrá-lo na terceira semana. Aí, ele me arranjou contatos para ficar preenchendo o resto dos dias, me levou para os EUA para assistir um curso dele. Foi gostoso o contato, apesar de pequeno. A partir disso, fiquei interessada no trabalho dele, aproveitei que estava lá e conheci a música dele, que eu não conhecia porque aqui não havia. Comprei um monte de partituras, tive acesso a outros livros dele. Eu estava no meio do mestrado. Quando entrei no doutorado, pensei em fazer sobre ele. Escrevi para ele de novo, que foi, mais uma vez, superdisponível. Fiz bolsa sanduíche [financiamento de período de estágio no exterior durante o doutorado], fui para o Canadá, morei uma parte do tempo em Montreal. Depois disso, todo mês de agosto vou para lá, no encontro de paisagem sonora que o Schafer promove.

Nesse encontro, realizado na Floresta de Haliburton, no Canadá, com a participação de pessoas do mundo inteiro, a ideia é vivenciar a arte em um local natural. Como é essa vivência?

É ótima. Na verdade, é apenas uma das obras do ciclo Pátria, que estudei no doutorado [Marisa é autora do livro O Lobo no Labirinto – uma incursão à obra de Murray Schafer, estudo analítico e interpretativo da obra Pátria, de Schafer]. São 12 obras, em diversos ambientes. Nem todas são na natureza, embora sejam sempre em espaços alternativos. Até quando é dentro de um teatro, é uma maneira diferente de explorar aquele espaço.

Mas tudo gira em torno do conceito de paisagem sonora?

Sim, tudo dentro do conceito de paisagem sonora, porque o meio é importante. Mas também dentro de outro conceito dele, de confluência das artes, que é uma coisa que ele usa muito e que batizou de teatro de confluência. Porque a obra dele não é só música, embora escreva coisas só musicais, que são seu ganha-pão. A obra Pátria é sua razão de ser. Ele a fez devagar, levou mais de 30 anos para finalizar os 12 episódios. É uma lenda na qual os personagens principais são a princesa e o lobo. Eles passam por uma série de problemas e são condenados a viver durante 12 vidas para conseguir a iluminação. Tem um princípio oriental de reencarnação. Cada reencarnação é uma das pátrias. Essa vivência que eu faço no Canadá é a última, o epílogo. É o momento em que, depois que passaram por todos os desafios e se aperfeiçoaram, chegam ao final, que é na floresta. O primeiro momento também é na floresta. Você fica lá durante dez dias acampando – camping selvagem, sem nada. E as coisas artísticas acontecem.

Essas coisas artísticas são somente sonoras ou visuais também?

São visuais também. Tem muito teatro, muitos personagens míticos. Ele gosta de trabalhar questões da mitologia, do ritualístico, mostrando que a civilização extrema nos afasta da relação com a natureza.

No livro De Tramas e Fios, você faz um histórico da educação musical no mundo. Conte um pouco sobre ele.

Não só um histórico, mas uma reflexão sobre a educação musical hoje, na contemporaneidade. Tem um capítulo sobre o Brasil, que justamente mostra uma linha histórica desde o descobrimento até esta última lei, que são os parâmetros curriculares. E, principalmente, uma coisa que eu noto na pós-graduação, convivendo com pessoas de experiências diversas: como a força da música está sendo reconhecida em outras áreas, e talvez o músico nem saiba disso. A área da saúde, por exemplo, está investindo mais na música por acreditar que talvez ela tenha um caráter facilitador para o doente. Nós, na Unesp, temos projeto de música com grávidas, com crianças hospitalizadas e com portadores de sofrimento mental. A educação musical está transcendendo a escola e invadindo outros espaços, o que acho muito interessante. Mas você não percebe muito por não se tratar de um movimento organizado, não está forte o suficiente para se ter uma bandeira comum. São iniciativas isoladas. Se a educação musical na própria escola é desorganizada, imagine fora dela. Apesar disso, sinto um movimento. Eu mesma participei de um projeto que era de música com os meninos da Febem/SP. Capacitei mais de 400 professores e nenhum deles era músico.

Qual a diferença entre o professor capacitado e o especializado?

Não podemos confundir. Lembro que meus alunos da pós diziam que eu trabalhava contra eles, ensinando leigos a fazerem as coisas enquanto eles eram diplomados. Digo para eles terem calma, porque a música não vale mais nada. Ninguém valoriza música. Na hora em que os leigos derem importância para a música, os especialistas terão mais mercado, porque ela vai se valorizar perante a sociedade. A segunda coisa é que esses professores capacitados nunca assumirão o lugar do arte-educador ou do músico, porque eles não têm competência para isso. Eles estão aprendendo maneiras de levar a música para a sala de aula porque não tem outra pessoa que o faça. E isso é importante. Lá na Febem, por exemplo, só participava desse projeto quem já estava lá dentro, ou seja, quem fez concurso e optou por trabalhar lá. E, se um músico não prestou o concurso e não está lá, é porque não está e pronto. Simples. Eu acredito que o valor da educação musical está atrelado ao valor da música. Se a sociedade não credita esse valor, considerando a música como entretenimento, programa de auditório, a educação musical não ganha força. Estou falando em termos de países inteiros. As iniciativas pequenas fazem sentido, mas são restritas. Temos que fortalecer os professores, mas também mobilizar outros setores da sociedade que normalmente não têm acesso à música.

O professor de educação artística, por exemplo, pode fazer um trabalho com música mesmo não sendo especialista?

Eu acho que, se ele tiver bom senso, sim. Mas não acho que ele substitua o professor de música. Questiono o que um aluno deve aprender dentro de uma escola que não tem professor especialista de música. Mas a própria visão do professor é restrita, ele acha que tem que ensinar notas, flautas. O tipo de coisa que requer especialistas... Acho que tem coisas anteriores, como a paisagem sonora, por exemplo. Aprender a ouvir, ampliar a escuta, discriminar o som sem chegar na grafia. E isso o professor comum pode fazer. Isso não toma o espaço do especialista, são coisas diferentes. O que vemos às vezes não atende a nenhum dos dois, o professor nem sabe direito o que fazer. Por exemplo, 40 flautas tocando juntas pode ser péssimo, porque a flauta é um instrumento difícil de afinar. Se o professor não for musical, fica horrível. Por isso digo que é necessário o bom senso. Fazer de qualquer jeito é o que me preocupa, porque assim não se exercita a escuta.

O que um professor não especializado pode fazer para trabalhar a música em sala de aula?

Você tem que sensibilizar não só a criança, mas os outros professores, a escola, a sociedade em geral. É interessante amalgamar os conteúdos. O professor de história pode mostrar para os alunos como é que o chorinho surgiu. Qual foi o primeiro choro? Ele pode associar isso com história ou até mesmo geografia, estudando as regiões do Brasil. Qual é a música típica da Região Centro-Oeste, da Região Sul, ou qual é a paisagem sonora desses lugares? Tem um monte de coisas que dá para fazer. Hoje em dia, temos uma indústria de música para crianças razoavelmente boa, como o Palavra Cantada, alguns grupos de Minas Gerais, a musicóloga baiana Lydia Hortélio, que reúne uma coleção de cantigas tradicionais brasileiras que é um tesouro. Você pode trabalhar a música a partir do repertório da criança e depois expandir. Aos poucos, vai mostrando a ela um pouco de música clássica, regional, outros gêneros.

Como trabalhar o repertório da criança?

O professor deve observar a criança. Uma boa estratégia é prestar atenção nos tipos de música que a criança escuta e, a partir disso, tentar atrair a atenção dela. Mostrar uma outra gravação de uma música que ela goste, por exemplo. Só aí já se tem material para umas duas aulas. Pode comparar uma gravação e outra, as diferenças no canto, nos instrumentos, na interpretação, no andamento. Você amplia o universo da criança partindo do seu próprio repertório, porque é um pecado uma criança ficar condenada ao que é imposto a ela por outras razões que não são educativas.

Mas o professor, para saber disso, tem que ser capacitado?

Tem que ser capacitado, mas é uma capacitação diferente daquela dada a um músico. Na capacitação dada ao professor músico, pode-se exigir que ele leia música, toque um instrumento. O professor que não é especialista também pode trabalhar com elementos da música, mas de maneira mais abrangente.

Muitos professores que trabalham o conceito de paisagem sonora em sala de aula relatam que seus alunos ficam mais silenciosos após as atividades, cautelosos na hora de produzir e mais sensíveis aos ruídos. Você já sentiu essa diferença em sala de aula?

Nas escolas em que trabalhei também aconteceu isso. Quando fizemos um diagnóstico do local, dos ruídos do local, percebemos que era uma escola extremamente ruidosa. Os recreios eram divididos por série, então cada hora descia uma sala e era uma barulheira só. Sinal tocando, professor gritando, um caos. O que fizemos para melhorar isso? Concentramos e aumentamos os intervalos entre os recreios, aumentando assim também os momentos de silêncio. As crianças passaram a se relacionar com o silêncio e, aos poucos, começaram a se incomodar com o barulho. A princípio, diziam que o ruído não era produzido por elas e sim por outros colegas ou turmas de outras séries. Todos reclamavam do “outro”, ninguém se enxergava como produtor de barulho. Fizemos esse trabalho na escola e os alunos ficaram mais sensíveis em relação ao barulho porque isso abre o ouvido. Você tem que despertar para o barulho. Por isso digo que o trabalho do Schafer é de despertar de consciência. Porque ele não é apenas para o músico, é para todo mundo. O silêncio na nossa sociedade tem uma conotação negativa. Tem gente que fala que não pode fazer nada sem ligar um “radinho”, senão fica nervoso. A pessoa tem medo de ficar em silêncio e de lidar com os seus próprios fantasmas. A música é para espantar os fantasmas, funciona como uma droga, no sentido de conseguir apaziguar os fantasmas, preencher vazios. Então, às vezes, quando você propõe exercícios de silêncio, algumas pessoas se sentem mal. Por isso que é importante começar devagar e ir ampliando aos poucos. Depois que essas pessoas ultrapassam a fronteira angustiante do silêncio, percebem o quanto ele é prazeroso.

As crianças de hoje em dia, que moram nas cidades grandes, não têm referência sonora de sons da natureza. É importante o acesso a esses tipos de som?

É importante a escola promover passeios para parques próximos, porque muda totalmente a paisagem sonora. A questão da referência sonora está muito despertada no mundo. Aqui, ainda é um pouco incipiente, mas fico feliz em saber que está havendo um despertar. Principalmente depois que os livros O Ouvido Pensante e A Afinação do Mundo foram traduzidos. É importante que as crianças percebam as diferentes paisagens do som.

Veja também

Massageada em Artes

A cantora Tulipa Ruiz fala sobre apaixonar-se por discos, sobre confissões por meio de mixtapes e sobre o quadro de mulheres que compõe o seu agora