A produtora e roteirista Daniela Capelato e a cineasta e roteirista Letícia Simões relembram suas trajetórias no cinema. Por meio dos filmes condutores da conversa – Êxtase, de Moara Passoni, corroteirizado por Daniela, e Casa, dirigido por Letícia –, as cineastas comentam o processo de construção dessas narrativas.

Daniela e Letícia falam também da dimensão e da relação do público com o documentário autobiográfico. Letícia relata que suas decisões passavam pela ideia de atingir mais pessoas e que só via sentido no filme uma vez que ele existisse em relação ao outro. Já Daniela comenta que uma autobiografia só acontece porque há uma necessidade de se expressar que está relacionada ao mundo. Elas encerram falando sobre o lugar do documentário no tempo presente.

Conversa realizada remotamente em 2021 pela jornalista Ana Paula Sousa.

Ouça todos os episódios já disponíveis do podcast Versões do tempo aqui no site ou em aplicativos especializados, como o Spotify, no celular ou no computador – basta pesquisar o nome dos programas.

No YouTube do Itaú Cultural:

Confira as mesas da mostra INA e os sentidos da imagem: produção e memória, realizada em setembro de 2013, com curadoria de Daniela Capelato.

Veja também um trecho do documentário Baravelli, dirigido por Andréa Marques Barbosa e Daniela Capelato, que faz parte da série Encontros, do Itaú Cultural, com vídeos sobre artistas e outras personalidades da história do Brasil.

No site do Itaú Cultural:

Leia matéria sobre o projeto Como construir uma casa, de Letícia Simões, selecionado no Rumos 2017-2018.

ITAÚ CULTURAL

Presidente: Alfredo Setubal
Diretor: Eduardo Saron
Gerente do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Claudiney Ferreira
Coordenadora do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Kety Fernandes Nassar
Apresentação: Ana Paula Sousa
Produção audiovisual: Ana Paula Fiorotto e Amanda Lopes
Som: Cinemática Audiovisual (terceirizada)
Locução: Adriana Braga (terceirizada)
Trilha musical: Follow the Wild Path, de Max H.

O Itaú Cultural (IC), em 2019, passou a integrar a Fundação Itaú para Educação e Cultura, com o objetivo de garantir ainda mais perenidade às suas ações e o seu legado no mundo da cultura, ampliando e fortalecendo o seu propósito de inspirar o poder criativo para a transformação das pessoas.

Veja também

Karine Teles, um certo alguém

“Além de me emocionar com obras de arte que pesquiso, assisto, leio e ouço, eu me emociono com as pessoas”, fala a atriz