Classificação indicativa: Livre

O cantor e compositor Zé Geraldo sobe ao palco do Auditório Ibirapuera, acompanhado de sua banda – formada por Carneiro Sândalo (bateria), Jean Trad (guitarra) e Carlito Rodrigues (baixo) –, para apresentar o show Hey, Zé!, que conta com a participação do cantor, compositor, guitarrista e violeiro Francis Rosa.

“Estou terminando a gravação do meu novo disco, que vai ser lançado no segundo semestre deste ano e se chamar Hey, Zé!. Esse é também o nome de uma versão da música ‘Hey, Joe!’, sucesso na voz de Jimi Hendrix, que fiz para esse trabalho. Então, já estou antecipando o que vem por aí”, explica Zé Geraldo. “No show, vou cantar músicas que fazem parte da minha história, como ‘Cidadão’, ‘Senhorita’ e ‘Milhos aos Pombos’, e canções do novo disco.”

Zé Geraldo conta que “Hey, Joe!” marcou o início de seu aprendizado na música e que a ideia de fazer uma versão para a composição – que traz a letra para um contexto mais próximo da realidade brasileira –surgiu há cerca de três anos, quando ouviu a canção na voz do cantor Seal.

“Aos 22 anos eu não era músico nem tinha a pretensão de ser um artista profissional. Meu sonho mesmo era ser jogador de futebol. Mas voltando de uma viagem entre Minas Gerais e São Paulo o ônibus no qual eu estava bateu em um caminhão e eu fiquei todo quebrado. Depois de uma temporada no hospital, passei quase 11 meses em tratamento na casa da minha família. Nessa ocasião, um amigo músico deixou comigo um violão e assim começou a minha história na música”, fala. “Quando terminei o tratamento, fui fazer fisioterapia em Santos. Lá, conheci uma banda que me mostrou um disco de Jimi Hendrix, no qual constava a faixa ‘Hey, Joe!’. Estava com 23 anos, fiquei encantado e nunca mais esqueci aquela canção. Há cerca de três anos, eu a escutei novamente, na voz do Seal, e me emocionei quando vi o clipe. Surgiu então a ideia de fazer uma versão para ela, mas a aproximando do nosso contexto.”

Sobre a participação de Francis Rosa no espetáculo, Zé Geraldo conta que conheceu o artista há aproximadamente quatro anos, quando ficou sabendo que um grupo de músicos em Joanópolis – região de Bragança Paulista, em São Paulo – estava cantando suas canções. A cada dia, a parceria artística e a amizade entre ambos crescem, gerando novos trabalhos.

“Decidi ir a Joanópolis conhecer aqueles rapazes. Entre eles estava o Francis Rosa”, conta Zé Geraldo. “Ele é um violeiro maravilhoso, uma revelação. Assim que o conheci, parecia que éramos irmãos”, diz. “Começamos a fazer trabalhos juntos e, desde então, em toda a oportunidade que tenho eu o coloco para participar dos meus shows. Ele, que também é um exímio guitarrista e músico, está na estrada há alguns anos e vai mostrar tudo isso no palco. Estamos fazendo ainda o disco O Poeta e o Violeiro, que pretendemos lançar até o final deste ano.”

Com uma disposição invejável para o trabalho, o cantor e compositor – que conta com uma obra composta de 17 CDs, 8 coletâneas, 2 DVDs e 3 compactos, além de participação em álbuns e shows de diversos artistas – diz que pretende regravar o LP Terceiro Mundo, o primeiro de sua carreira (pela gravadora CBS) e que comemora quatro décadas em 2019.

“Neste ano faz 40 anos que fui lançado com o disco Terceiro Mundo. Depois de Hey, Zé! O Poeta e o Violeiro (em parceria com o Francis Rosa), quero regravar esse primeiro álbum da minha carreira, que deve se chamar Terceiro Mundo – 40 Anos. Esse vai ser mais rápido. Em um mês eu produzo”, fala o incansável Zé Geraldo.

Zé Geraldo & Banda [com interpretação em Libras]
sábado 6 de julho de 2019
às 21h
[duração aproximada: 90 minutos]

ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada)

[livre para todos os públicos]

abertura da casa: 90 minutos antes do espetáculo

Os ingressos podem ser adquiridos pelo site Ingresso Rápido e em seus pontos de venda a partir das 13h do dia 21 de junho.
Também estão à venda na bilheteria do Auditório Ibirapuera, nos seguintes horários:
sexta e sábado das 13h às 22h
domingo das 13h às 20h

 

Veja também

A importância de contar histórias

Preparando-se para morar na Alemanha por um ano, Alexandre Ribeiro conta sobre como descobriu que podia ser o narrador da sua própria história

Indígenas na contemporaneidade

O tema do último vídeo da coluna exclusiva de Daniel Munduruku para o site do Itaú Cultural é como os indígenas estão inseridos na contemporaneidade