Itaú Cultural
Avenida Paulista, 149
São Paulo / SP

terça a sexta 9h às 20h
sábado, domingo e feriados 11h às 20h
entrada gratuita

Assine nossa newsletter

email
atendimento
@itaucultural.org.br

telefone
11 2168 1777

Clique neste ícone para baixar gratuitamente o app de tecnologia assistiva eSSENTIAL Accessibility para pessoas com deficiência física e baixa visão. Para o Itaú Cultural, promover acessibilidade, inclusão e diversidade é prioridade.

Daniel Munduruku é um homem indígena, de mais de 50 anos. A foto é de close, ele está de frente, sorrindo. Ele usa uma faixa cobrindo a testa e seus cabelos são longos e compridos.
imagem: acervo pessoal

Daniel Munduruku  – Mekukradjá

“As pessoas olham para mim e veem o tal do índio, que é o que está no imaginário delas, mas aquele que eu sou efetivamente ou aquilo que eu trago dentro de mim não tem nada a ver com essa palavra”
Fotografia em preto e branco de fachada do cinema de rua Ufa-Palácio. Vê-se duas grandes colunas com iluminação indireta. Entre elas há vários homens brancos usando paletó e chapéu.
imagem: autoria desconhecida

Recortes sobre Rino Levi

Educadora do IC comenta três das salas de cinema projetadas pelo arquiteto na cidade de São Paulo
Fotografia em preto e branco de fachada do cinema de rua Ufa-Palácio. Vê-se duas grandes colunas com iluminação indireta. Entre elas há vários homens brancos usando paletó e chapéu.
imagem: autoria desconhecida

Recortes sobre Rino Levi

Educadora do IC comenta três das salas de cinema projetadas pelo arquiteto na cidade de São Paulo
Daniel Munduruku é um homem indígena, de mais de 50 anos. A foto é de close, ele está de frente, sorrindo. Ele usa uma faixa cobrindo a testa e seus cabelos são longos e compridos.
imagem: acervo pessoal

Daniel Munduruku  – Mekukradjá

“As pessoas olham para mim e veem o tal do índio, que é o que está no imaginário delas, mas aquele que eu sou efetivamente ou aquilo que eu trago dentro de mim não tem nada a ver com essa palavra”
Retrato em preto e branco da fotógrafa Bruna Valença.
imagem: Divulgação

Bruna Valença, um certo alguém

“Eu acredito, imagino e visualizo o amanhã com esperança e consciência e muito mais presença”, diz a fotógrafa