“Katú Mirim é o nome que recebi no Nhemongarai, batismo das águas, é o nome que recebi dentro da Opy. Quando recebi esse nome, minha mãe, Geni, falou: ‘Leve esse nome com honra e nunca se esqueça de quem você é’. Katú significa pessoa boa e eu sempre repito que muitas coisas ruins aconteceram comigo ao longo da vida e eu sempre repito meu nome para mim mesma; eu sou Katú, não vou me transformar naquilo que me feriu.”

A rapper e youtuber Katú Mirim fala sobre a trajetória da afirmação de suas raízes indígenas e sobre o uso da música como instrumento de luta.

Este depoimento foi gravado em 2019.

Saiba mais sobre Katú Mirim no mapeamento do Mekukradjá.

Saiba mais sobre o Mekukradjá.

Ouça todos os episódios já disponíveis do podcast Mekukradjá aqui no site ou em aplicativos especializados, como o Spotify ou o Apple Podcasts, no celular ou no computador – basta pesquisar o nome dos programas.

ITAÚ CULTURAL

Presidente: Alfredo Setubal
Diretor: Eduardo Saron
Gerente do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Claudiney Ferreira
Coordenadora do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Kety Fernandes Nassar
Produção audiovisual: Ana Paula Fiorotto
Som: Raquel Vieira (terceirizada) e Tomás Franco (terceirizado)
Locução: Julio de Paula (terceirizado)
Apresentação: Daniel Munduruku

O Itaú Cultural (IC), em 2019, passou a integrar a Fundação Itaú para Educação e Cultura, com o objetivo de garantir ainda mais perenidade às suas ações e o seu legado no mundo da cultura, ampliando e fortalecendo o seu propósito de inspirar o poder criativo para a transformação das pessoas.

(imagem: divulgação)
Veja também

Varin Mema – Mekukradjá

“Para os Marubo, a existência do outro existe através de mim. Se eu existo, ele existe”, diz a antropóloga