A expressão “livro de artista”, muito utilizada para nomear um segmento diverso de produções e manifestações artísticas visuais, remete também às várias possibilidades de entendimento que a arte e suas formas de expressão promovem.

A exposição Narrativas em Processo: Livros de Artista na Coleção Itaú Cultural propõe, nesse sentido, a investigação das diferentes relações que podem ser estabelecidas entre um livro e seu artista ao percorrer o panorama histórico dessa vertente de criação. A mostra é exibida de 17 de outubro de 2019 a 19 de janeiro de 2020 no Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães (Mamam), em Recife.

Com curadoria de Felipe Scovino, Narrativas em Processo reúne obras do acervo de arte do Itaú Unibanco e já foi apresentada em São Paulo, no Itaú Cultural; em Ribeirão Preto, no Instituto Figueiredo Ferraz; em Curitiba, no Museu Oscar Niemeyer; e em Belo Horizonte, no Palácio das Artes. Na itinerância em solo pernambucano, um novo recorte é proposto e se concentra nos artistas brasileiros da coleção e na transição entre o moderno e o contemporâneo.

O acervo de obras de arte do Itaú Unibanco foi iniciado há aproximadamente cem anos pelos fundadores do Itaú. Soma mais de 15 mil pinturas, gravuras, esculturas, fotografias, instalações, livros raros, moedas e medalhas e é o maior acervo artístico de uma companhia privada na América Latina, recobrindo toda a história da arte brasileira. A Coleção Itaú Cultural, com cerca de 3.600 itens, é parte dele.

No Itaú Cultural, o Espaço Olavo Setubal exibe permanentemente parte desse acervo.

Narrativas em Processo: Livros de Artista na Coleção Itaú Cultural em Recife
abertura

quinta 17 de outubro de 2019
às 19h

visitação
até 19 de janeiro de 2020
terça a sexta | das 12h às 18h
sábado, domingo e feriados | das 13h às 15h

Entrada gratuita

Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães (Mamam) | Rua da Aurora, 265 – Boa Vista – Recife (PE)
informações (81) 3355-6871 | mamam@mamam.art.br

[livre para todos os públicos]

Veja também

Lagoas do Norte para quem?

O projeto de reurbanização da comunidade ribeirinha Boa Esperança é o mote de verdeVEZ, trabalho do artista visual Maurício Pokemon