Esculturas destaca produções de artistas presentes na coleção de obras de arte do Itaú Cultural. A cada edição da série, uma conversa sobre trabalhos com temáticas e estilos variados, buscando ampliar horizontes. Siga aqui pelo site ou no nosso perfil no Instagram.

Louise Bourgeois
Spider, 1996
bronze
324 cm × 563 cm × 554 cm
Acervo Itaú Cultural
Imagem: Brunno Covello

Por Duanne Ribeiro

A aranha é um símbolo. Há uma explicação, fornecida pela própria escultora, Louise Bourgeois (1911-2010), sobre seu significado. Mas, talvez, seja melhor nos aproximarmos desse artrópode enorme com mais vagar e menos facilidade... Pois a obra não causa algo – fascínio, curiosidade – à primeira vista? Seguindo o sentimento, quem sabe não achemos a artista a meio caminho.

Veja também:
>> Todos os textos, nas várias curadorias, sobre obras do acervo do Itaú Cultural

Spider tem mais de 5 metros de altura e largura, além de 3 metros de comprimento. Poderíamos passar entre suas oito pernas, envolvidos por elas, observar seus ângulos retos, suas curvas, suas patas tocando, afiladas, o solo; no centro, acima da nossa cabeça, abdômen e cefalotórax, mais nada. “O que a grandeza expressa?”, questionou Louise em um diário no dia 6 de janeiro de 1953, após notar que o pintor Mark Rothko (1903-1970) produzia obras grandes e miniaturas. Cobertos, abraçados por Spider, podemos sentir essa questão.

“Quanto tempo [a grandeza] dura? Recorrente permanente temporário”, adicionou a artista. Suas anotações vão então para outros dilemas; ficamos com essas dúvidas e com tais características de nossa relação com o que é grande: o impacto vai e volta, desaparece com o tempo, às vezes fica. Diante de Spider, podemos deixar de nos impressionar: é só uma aranha. Conhecemos aranhas; são pequenas ou pequeninas; essa é hiperbólica, nada mais. Porém, ocorre que, nesse caso, a grandeza expressa a pequeneza. O pequeno se evidencia, aparece de outra forma.

Aparece como? Nossa simbologia particular pode dar alguma resposta. A que remetem, o que representam os aracnídeos para você? A mim cativam o artesanato das teias, a caça paciente de que são palco, sua resistência maior que a do aço. Esse bicho é de um poder que consiste em trabalho e administração. É partindo desse imaginário que posso me aproximar de Spider. E você? Tendo esse saber sobre nós, podemos dialogar melhor com Louise.

Para Louise – chegamos, enfim, àquela explicação citada no início –, a aranha é a mãe. Spider não é a única obra que traz aracnídeos; outros exemplos são Ode à Ma Mére (1995), álbum de nove desenhos desse animal, além de textos que o assimilam à mãe da artista, e Maman (1999), uma escultura similar, com algumas variações (Spider é toda de bronze; Maman é de aço e bronze, e carrega 32 ovos de mármore). Sobre a inspiração, em Ode à Ma Mére, Louise escreveu:

A amiga (a aranha — por que a aranha?) porque minha melhor amiga era a minha mãe e ela era decidida, inteligente, paciente, consoladora, razoável, delicada, sútil, indispensável, pura e útil como uma aranha. Ela podia também defender a si e a mim, recusando-se a responder a questões pessoais “estúpidas”, inquisitivas, constrangedoras.

O nome dessa amiga era Joséphine Fauriaux, que, com Louis Bourgeois, seu marido, teve duas filhas e um filho (Louise foi a criança do meio), ganhando a vida com um negócio de tapeçarias. Era uma mulher forte: “Quando minha mãe dizia algo, as estruturas tremiam e meu pai fugia. Ela tinha muitas mulheres trabalhando para ela e tinha de ser vigorosa. Até hoje tenho medo do que eu penso como sendo a ‘Mãe Brava’”, contou a escultora em 1979. “Eu posso nunca me cansar de representá-la”, anotou também, porém em 1995, no Ode à Ma Mére.

Não só a figura materna, mas o ambiente em que cresceu remete ao animal. Em 1992, a criadora registrou: “Quando eu era pequena, todas as mulheres na minha casa mexiam com agulhas. Eu sempre tive uma fascinação pela agulha, pelo poder mágico da agulha. A agulha é empregada para reparar danos. É um pedido de perdão. Nunca é agressiva, não é um alfinete". A aranha é também tecelã, trabalhadora – e feminina, o que transparece em uma fala sem data certa (entre as décadas de 1980 e 1990): “‘A aranha fêmea’ tem má reputação – é aferroadora, é assassina. Eu a reabilito. Se eu tenho que reabilitá-la, é porque eu me sinto criticada”.

Detalhe de Spider (imagem: Brunno Covello)

Contudo, esse símbolo não é simplesmente um modelo ou uma homenagem; a artista embate contra ele, rejeita alguns elementos: “Para o meu gosto”, voltamos ao Ode a Ma Mére, “a aranha é um pouco fastidiosa demais. Existe algo muito francês, complicado, descaradamente racional, ‘tricotante’ nela, com seus invisíveis reparos, cada vez mais precisos e delicados; ela nunca se cansa de achar pelo em ovo. Essa análise sem fim é exaustiva e, visualmente, pode ser redutiva. Ela me faz querer correr à rua e encher os pulmões de ar”. Nesse ponto do texto, acontece uma reviravolta, pois a escultora afirma: “Pela primeira vez, esta aranha admite que está cansada”.

Esta aranha. Louise parece falar de si. Pode ser que, em confronto com as imagens do álbum, a frase ganhe outro sentido, mas aqui, só, ela se interpreta assim. Aliás, em 1971, respondendo a um questionário, ela retrucava a “Como você aproveita seus dias?” com “Eu trabalho como uma abelha e sinto que realizei pouco”. A aranha é o que Louise não pode ser. Louise é a aranha.

Louise Bourgeois criou esculturas, instalações, pinturas, desenhos. Escreveu bastante sobre o seu processo criativo, suas referências e o trabalho emocional realizado por meio da arte – parte desses textos, junto a entrevistas, foi publicada em Louise Bourgeois – Destruction of the Father, Reconstruction of the Father, de onde extraímos as citações deste artigo. Cursou matemática na Universidade de Sorbonne, mas abandonou após a morte da mãe, em 1932. Com 25, voltou-se à arte, com estudos na Escola de Belas-Artes, entre outros espaços. Na década de 1940, depois de um ciclo de pinturas e gravuras surrealistas, passa a experimentar esculturas. Prossegue ativa até o fim da vida, buscando, segundo ela, no livro citado, “não fazer diferente, mas melhor”.

Veja também

Recortes sobre Véio

Educador do Itaú Cultural comenta três obras que estavam presentes na exposição sobre o Véio, que aconteceu em 2018