Daniela Paoliello

Fotografia azul vibrante de um rio com um buraco no meio e água espirrando como se algo tivesse acabado de ser arremessado ali e vegetação no entorno
(imagem: Daniela Paoliello)

Observação 1:
Colapso da ordem, resistência, controle, êxtase, tumulto, incerteza, fusão, implosão, erosão, impulso, movimento da vontade, vazio.

Observação 2:
Na experiência, o enunciado não é nada, apenas um meio e, até tanto quanto um meio, um obstáculo, o que conta não é mais o enunciado do vento, é o vento¹.

Observação 3:
Procurando um momento de coincidência entre a experiência de viver e a consciência da existência².

Observação 4:
Conteúdos que se perdem uns nos outros, ou o jogo da perda dos seres³.

Observação 5:
Furei uma pedra com a luz do fogo de um isqueiro.

Observação 6:
Algo logo vai embranquecer diante da janela, encher o quarto com o zumbido de um pássaro ou do vento⁴.

Observação 7:
Minhas mãos estão cheias de cinzas.

Observação 8:
Lembro bem daquele medo na infância. Evitava as poças, sobretudo as novas depois da chuva, afinal uma delas podia não ter fundo, mesmo se parecendo com as outras. Piso e súbito desabo inteira, levanto voo para baixo, cada vez mais para baixo, na direção das nuvens refletidas e talvez mais além⁵.

Observação 9:
Depois olhou Florentino Ariza, seu domínio invencível, seu amor impávido, e se assustou com a suspeita tardia de que é a vida, mais que a morte, que não tem limites.

– E até quando? – perguntou.

Florentino Ariza tinha a resposta preparada havia cinquenta e três anos, sete meses e onze dias com as respectivas noites.

– Toda a vida – disse⁶.

Observação 10:
Meteoros caídos da terra. Sinto cheiro de madeira molhada. Cai uma manga no meu pé. Já é tarde. O pêndulo parou de marcar as horas. Que dia é hoje? Preciso de um chá quente. Deito com as costas no chão. O enunciado do vento virou o vento. Sinto a brisa no meu rosto. Lá onde ainda é tempestade. Preciso ir. Minhas mãos estão cheias de cinza. A noite, disseram-me, também é um sol.

1. Georges Bataille, A experiência interior
2. Francis Alys, Numa dada situação
3. Georges Bataille, A experiência interior
4. Wisława Szymborska, Um amor feliz
5. Wisława Szymborska, Um amor feliz
6. Gabriel García Márquez, Amor nos tempos do cólera

Bruno Inokawa

Fotografia colorida de um livro aberto com palavras escritas em japonês e uma mão aberta sobre o livro
(imagem: Bruno Inokawa)

O quão poderoso é o desejo de uma pessoa?

Reflito depois de folhear alguns dos vários livros empoeirados e enfileirados na antiga estante de madeira que ocupa quase todo o espaço de uma das paredes da sala. Numerados em série, eles são revestidos de capas coloridas e floridas, e a encadernação artesanal é notavelmente delicada, feita por mãos experientes de um habilidoso artesão.

Vou deixando os livros abertos sobre a mesa em páginas meio aleatórias, mas que por algum motivo atraem minha atenção. Talvez seja o traço fino dos caracteres, ou a colagem de animais ilustrados, ou a cor amarelada do papel. Aos poucos, um enigmático e extenso mosaico de imagens começa a ser formado.

Minha avó diz que um desejo, quando genuíno do coração, jamais é esquecido pelo universo; ele reverbera pelos astros e atravessa gerações até chegar ao seu destino para ser cumprido. E quando olho para aqueles livros percebo que hei de cumprir o que me foi herdado.

 

Em Inventário, dois fotógrafos recebem, todo mês, uma palavra diferente e são convidados a transformá-la em imagem e texto.

Veja também
Montagem em tom cor de rosa mostra a foto de uma mulher, à esquerda, e de um homem, à direita. Ela tem cabelos pretos, presos para trás, usa óculos de grau e está sorrindo. Usa um cachecol leve. O homem tem cabelos ralos, usa óculos de grau e está lendo um livro.

Dia do Podcast

Confira a seleção que a equipe do IC separou para você celebrar essa data
Fotografia colorida de areia de praia com mar e uma parte do mar está iluminada com uma pessoa ajoelhada

Inventário: Medo

Neste mês, Daniela Paoliello e Bruno Inokawa transformam o medo em imagem e texto