Qual é a história da sua maior saudade?

Eu só sinto saudade de coisas que eu nunca vivi. Porque todas as coisas boas procuro aproveitar ao máximo e penso que elas têm o tempo e um arco para acontecer. Sou muito do presente, do agora. Tenho lembrança bonitas, isso sim. Mas levo comigo sem nenhuma intenção de querer reviver.

O que o emociona no seu dia a dia?

Filmes que lançam perguntas. Músicas que me fazem pensar. Livros que me prendem a atenção. Pessoas que escutam. Pequenos gestos de afeto. Danças. Natureza.

Como você se imagina no amanhã?

Um beija-flor, agente polinizador, colorido e de metabolismo rápido, batendo minhas asas 80 vezes por segundo, bicando de flor em flor, sem cansar.

Quem é Esmir Filho?

Um cineasta, contador de histórias que coleciona todas suas idades e quer dialogar com o mundo através de suas narrativas.

Esmir Filho (imagem: Divulgação)

Um Certo Alguém
Em Um Certo Alguém, coluna mantida pela redação do Itaú Cultural (IC), artistas e agentes de diferentes áreas de expressão são convidados a compartilhar pensamentos e desejos sobre tempos passados, presentes e futuros.

Os textos dos entrevistados são autorais e não refletem as opiniões institucionais.

Veja também

Juliana Notari, um certo alguém

“Sempre me senti meio estranha no mundo, nos gostos, nos hábitos [...], mas é um estranhamento bom”, afirma a artista visual