Qual é a história de sua maior saudade?

Os almoços de minha avó Amélia aos domingos, na casa em que cresci, na Vila Madalena. Sinto saudades da doçura de minha avó, da torta de banana, da macarronada, de vê-la fazendo blusas, cachecóis, toalhas em tricô e crochê. De seu riso e choro fáceis.

O que a emociona em seu dia a dia?

Duas situações me emocionam:

As crianças, especialmente quando estão na fase de descobrir o mundo da linguagem.
A dignidade com que as pessoas mais humildes tocam a vida a despeito das adversidades.

Como você se imagina no amanhã?

Uma senhora que trabalha e se entusiasma com a educação e orientação de jovens artistas. 

Quem é Fabiana Cozza?

Uma artista brasileira, negra, cantora, sambista, poeta e pesquisadora.

Fotografia colorida vertical da cantora. O retrato fechado mostra ela do peito para cima, em frente a um fundo mostarda. Ela é uma mulher negra, veste uma blusa amarela com estampa florida verde e vermelha, está com brincos de argola e um anel verde. Sua mão direita está encostando no queixo e as unhas estão pintadas em vermelho. Ela usa na cabeça um turbante azul com detalhes em laranja, rosa, preto e branco. Ela olha para a câmera, séria.
Fabiana Cozza (imagem: José de Holanda)

Um Certo Alguém
Em Um Certo Alguém, coluna mantida pela redação do Itaú Cultural (IC), artistas e agentes de diferentes áreas de expressão são convidados a compartilhar pensamentos e desejos sobre tempos passados, presentes e futuros.

Os textos dos entrevistados são autorais e não refletem as opiniões institucionais.

Veja também

Arthur de Faria – Toca Brasil

Do livro que conta um século de música do Rio Grande do Sul, passando pelos vários discos que gravou, suas relações musicais com o teatro e as biografias