Qual é a história de sua maior saudade?

Minha avó materna, Maria. Era uma mulher incrível, divertida e iluminada. Foi corajosa e se divorciou do meu avô quando isso ainda era considerado um escândalo. Minha avó teve uma vida muito dura, passou por poucas e boas, mas encontrou na velhice caminhos para ser feliz. Adorava bailes da terceira idade. Uma vez foi eleita rainha da primavera e desfilou em carro aberto na parada de 7 de setembro de Petrópolis (RJ). Tinha vários amigos e adorava namorar. Vaidosa, estava sempre penteada, com as unhas vermelhas. Era cheirosa e não dispensava um cinto para marcar a cintura. Éramos bem próximas e quando adoeceu estive do lado dela no hospital em seus últimos momentos. Eu a amava muito e sempre penso nela nas minhas estreias ou quando conquisto alguma coisa. Ela não chegou a ver minha carreira florescer... Não conheceu meus filhos... Eu sinto uma saudade enorme dela.

O que a emociona em seu dia a dia?

Além de me emocionar com obras de arte que pesquiso, assisto, leio e ouço, eu me emociono com as pessoas. Meus melhores amigos, Camilo e Bruno, e nossas conversas por vídeo me enchem de amor. Acima de tudo, ver meus filhos crescer, conquistar independências, desenvolver personalidades e afetos me emociona profundamente.

Como você se imagina no amanhã?

Tenho vontade de envelhecer ainda trabalhando, escrevendo, atuando, observando a vida a partir das novas lentes que a maturidade vai fornecendo. 

Quem é Karine Teles?

Uma mulher comum, cheia de sonhos. Extremamente apaixonada pelo seu trabalho e pelos seus filhos.

Karine Teles | foto: divulgação

Um Certo Alguém

Em Um Certo Alguém, coluna mantida pela redação do Itaú Cultural (IC), artistas e agentes de diferentes áreas de expressão são convidados a compartilhar pensamentos e desejos sobre tempos passados, presentes e futuros.

Os textos dos entrevistados são autorais e não refletem as opiniões institucionais.

Veja também
Roger Mello é um homem branco, com cabelo curto e grisalho. O fundo da foto e a camiseta de Roger são coloridas e repletas de formas geométricas.

Roger Mello, um certo alguém

“Se as utopias morreram, façamos, ainda, desenhos na folha, na terra ou no tablet, como quem projeta um canto de luta”, reflete o ilustrador
Cidinha da Silva é uma mulher negra. Ela usa óculos de grau e sorri na foto.

Cidinha da Silva, um certo alguém

“Flores e plantas, música, gente sendo gente (boa). Escrever literatura também é algo que me dá muita alegria”, salienta a escritora