A Cátedra Olavo Setubal, durante 2017, teve como seu titular o arquiteto, designer gráfico e gestor cultural Ricardo Ohtake. Ele, em conjunto com o professor Martin Grossmann, ministrou um curso livre (em paralelo aos encontros tradicionais da cátedra). As reuniões à parte buscavam refletir sobre a importância de alguns dirigentes culturais, o papel de algumas instituições do ramo e a relevância das grandes exposições de artes visuais. Como resultado desse curso, foram elaborados artigos, que selecionamos e apresentamos a seguir.

“Além da contemplação: a gestão cultural de Walter Zanini”, por Diego de Kerchove

“Um turbilhão sublime: Mário de Andrade e o Departamento de Cultura de São Paulo”, por Eduardo Augusto Sena

“Susana Yamauchi: por uma formação contemporânea e interdisciplinar de dança”, de Josie Berezin

“O alto custo de promover arte militante”, por Priscila Machado Nunes

Veja também

O papel da universidade nas políticas culturais | Malu Arruda

Carmen Lúcia Rodrigues Arruda, conhecida como Malu Arruda, que integra a equipe de Ação Cultural da Coordenadoria de Desenvolvimento Cultural da Universidade Estadual de Campinas, comenta desafios para a criação de políticas culturais para as universidades em diálogo com as comunidades em que estão inseridas.
Na foto colorida, Paulo Herkenhoff usa óculos e uma camisa polo azul-marinho. Ele é calvo e está com uma expressão séria.

Encontros em outubro da Cátedra Olavo Setubal

Programação do curso Relações de Conhecimento entre Arte e Ciência: Gênero, Neocolonialismo e Espaço Sideral da Cátedra Olavo Setubal faz homenagens a Pagu, Luz del Fuego, Mário Pedrosa e Oswald de Andrade em outubro