“Nossos mestres, nossos pensadores, das nossas comunidades e aldeias, eles são escritores orais, pensadores orais, poetas orais. Estando dentro da universidade, eu consigo ao menos dizer que também faço parte desses escritores orais, digitais, contemporâneos.”

Coordenador do Coletivo de Acadêmicos Indígenas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Arlindo Baré fala sobre a importância da autonomia dos povos originários relacionada à educação indígena. Ele também explica a diferença entre os conhecimentos não indígenas e indígenas e o trabalho que faz para criar uma ponte entre esses dois universos.

Este depoimento foi gravado remotamente em 2020.

Ouça todos os episódios já disponíveis do podcast Mekukradjá aqui no site ou em aplicativos especializados, como o Spotify e o Apple Podcasts, no celular ou no computador, basta pesquisar o nome dos programas.

ITAÚ CULTURAL

Presidente: Alfredo Setubal
Diretor: Eduardo Saron
Gerente do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Claudiney Ferreira
Coordenadora do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Kety Fernandes Nassar
Produção audiovisual: Ana Paula Fiorotto
Captação de som: Vocs.TV (terceirizada)
Finalização de som: Cinemática Audiovisual (terceirizada)
Locução: Julio de Paula (terceirizado)
Apresentação: Daniel Munduruku

O Itaú Cultural (IC), em 2019, passou a integrar a Fundação Itaú para Educação e Cultura, com o objetivo de garantir ainda mais perenidade às suas ações e o seu legado no mundo da cultura, ampliando e fortalecendo o seu propósito de inspirar o poder criativo para a transformação das pessoas.

Arlindo Baré sorri para a foto. Usa camiseta e um colar.
Arlindo Baré (imagem: Divulgação)
Veja também

Kerexu Yxapyry – Mekukradjá

Convidada deste episódio, Kerexu Yxapyry é coordenadora-executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib)