Medo, solidão e, por vezes, até a morte são conceitos presentes no cotidiano de travestis, transformistas e transexuais no Brasil e no mundo. O espetáculo BR Trans, que será encenado nos dias 13 e 14 de agosto no Itaú Cultural, utiliza como fonte depoimentos reais para traçar um retrato de uma vida rodeada por preconceito e violência.

Veja também:
>> Entrevista com Silvero Pereira

No palco, o ator cearense Silvero Pereira apresenta um texto que, apesar de ser um monólogo, só ganhou forma graças às histórias de diversos travestis, transformistas e transexuais de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, e do Ceará. Com base em pesquisas e conversas, o texto nasceu como uma espécie de documento que apresenta as inquietações dessas pessoas e também de quem convive com elas, como o próprio Pereira.

Silvero Pereira em cena do monólogo

Ele, que no espetáculo interpreta Gisele, teve ao longo de sua vida intenso contato com o universo trans – morou em uma comunidade na qual viviam travestis. Em 2005, fundou o coletivo artístico As Travestidas, com o qual produziu e dirigiu trabalhos dedicados a esse tema. Atualmente, realiza a pesquisa Cartografia Artística e Social do Universo Trans no Brasil, sobre a travestilidade e a transexualidade de norte a sul do país.

Em BR Trans, Pereira é dirigido pela gaúcha Jezebel de Carli, construindo um processo “antropológico-autofágico-esquizofrênico”. A peça integra, desde 2013 – quando estreou em Porto Alegre –, a programação dos festivais de teatro mais importantes do Brasil, garantindo sucesso de público e crítica.

O espetáculo conta com interpretação na Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Espetáculo BR Trans
sábado 13 de agosto de 2016
às 20h
domingo 14 de agosto de 2016
às 19h
[duração aproximada: 80 minutos]
Sala Itaú Cultural (piso térreo) – 247 lugares

Entrada gratuita

[distribuição de ingressos
público preferencial: duas horas antes do espetáculo
público não preferencial: uma hora antes do espetáculo]

[classificação indicativa: 16 anos]