No sábado 19 de maio, às 21h, acontece o Especial Escola do Auditório – Formandos 2017, espetáculo de celebração da formatura de 16 alunos* que compõem a quinta turma de formandos da Escola do Auditório.

Durante o concerto, sob a regência de Nailor Proveta (que também toca clarinete em algumas composições) e com a participação especial dos músicos Adriano Andrade, Beatriz Pacheco, Danilo Rocha, Débora Gurgel, Douglas Braga, Edson José Alves, Gabriela Machado, Paulla Zeferino, Rogério Clementino e Toninho Ferragutti, os jovens instrumentistas se apresentam em diferentes formações e acompanhados pelas convidadas Gabriela Capassi e Ellen Arruda – respectivamente, aluna e ex-aluna formada pela Escola.

Tendo a trajetória como tema escolhido para o espetáculo, o repertório traz composições como “Caminhando” (Nelson Cavaquinho), “É Preciso Aprender a Só Ser” (Marcos Valle e Paulo Sérgio Valle) e “Mundo Melhor” (Pixinguinha e Vinicius de Moraes) – com arranjos de Edson José Alves, Débora Gurgel, Daniel Reginato e Nailor Proveta –, que mostram ainda a relação dos alunos com a Escola do Auditório e com a história da música popular brasileira instrumental ligada ao canto.

“Os formandos escolheram como tema uma palavra que abrange vários aspectos da caminhada deles não só na Escola, mas também na vida ao longo desses anos de estudo”, fala Nailor Proveta, músico, compositor, arranjador e diretor artístico-pedagógico da Escola do Auditório. “Incluí no repertório, escolhido em parceria com os alunos, algumas músicas que têm um significado amarrado às sugestões musicais deles, como 'Caminhando', cujo nome já diz tudo e que abre o espetáculo, e 'Mundo Melhor', que encerra a apresentação, com todos juntos no palco, e representa o que nós, professores e amigos, desejamos para essa moçada.”

Proveta acrescenta que os autores brasileiros escolhidos para o concerto são nomes importantes não só por suas respectivas histórias na música, mas também porque foram muito trabalhados na Escola e se tornaram referências para os jovens instrumentistas e cantores, dando coesão e direcionamento ao ensino de cada um deles.

“O samba e o choro são referências muito fortes que nós temos na Escola do Auditório. Isso ajudou na formação, na caminhada, na trajetória desses alunos e dessas alunas. Nós olhamos e vemos que eles têm um compromisso e que, apesar de formados, continuam levando em frente o nome da Escola, os princípios e ensinamentos que adquiriram aqui”, diz o diretor. “Eles estão em harmonia. Isso me deixa tranquilo e me dá segurança com relação ao trabalho que desenvolvemos com os alunos. Nós nos doamos dessa forma, trabalhando e observando cada um deles, dando continuidade à história do ser humano, que é tão simples, mas que tem um caminho desafiador para todo mundo.”

A Escola do Auditório

A Escola do Auditório, sob a gestão do Itaú Cultural desde 2011, oferece cursos de música brasileira, com duração de cinco anos, a até 170 estudantes (a partir de 12 anos de idade) da rede pública de ensino que residam no município de São Paulo.

O objetivo é proporcionar uma sólida formação na área da música popular, unindo teoria e prática. Os estudantes aprendem a tocar um instrumento, desenvolvem a percepção musical e conhecem a história da música brasileira, seus estilos e seus personagens.

Desde o início das atividades, a Escola do Auditório, que tem direção artístico-pedagógica de Nailor Proveta, já formou cinco turmas (77 alunos), proporcionando a esses jovens a oportunidade de iniciar e desenvolver carreira na música.

O corpo docente da Escola – que conta inclusive com alunos formados – é composto de 35 professores, que ministram aulas de percepção melódica e harmônica, percepção rítmica, harmonia, laboratório, prática de conjunto, instrumento e orquestra.

* Formandos 2017

Ariane Vilas Boas, Caio Sena, Cássia Azevedo, Eduardo Montilla, Ian Arruda, Kaique Iritsu, Laura Santos, Leonardo Gomes, Monika Sampaio, Murilo Luz, Pedro Bernardo, Pedro Teixeira, Salomão Sidharta, Vinícius Teixeira, Wellington de Souza e Yasmin Rainho

Especial Escola do Auditório – Formandos 2017 [com interpretação em Libras]
sábado 19 de maio de 2018
às 21h
[duração aproximada: 90 minutos]

Entrada gratuita [os ingressos serão distribuídos na bilheteria do Auditório, uma hora e meia antes da apresentação. Limite de dois ingressos por pessoa. Sujeito à lotação da casa].

[livre para todos os públicos]

Veja também

Direto do Arquivo - A arte ecoativista de Frans Krajcberg

Em 1998, o Itaú Cultural promoveu o evento multidisciplinar Amazônicas, que contou com painéis fotográficos que mostravam as imagens de queimadas capturadas por Krajcberg e também com um conjunto de obras tridimensionais feitas de madeira retirada das queimadas da região.