Na sexta-feira 29 de junho, às 21h, os grupos Dona Yayá e Tendal, ambos integrantes do CORALUSP, se apresentam no foyer do Auditório Ibirapuera com os seus respectivos projetos, Bixiga – Canções do Bixiga e de São Paulo e Estação Tendal – 20 Anos de um CORALUSP Espalhado por Toda São Paulo. A regência é do maestro e arranjador Mauro Aulicino. “Vamos fazer uma abertura com os dois grupos, depois apresentar o projeto de cada um deles e encerrar a noite com todos juntos cantando ‘Mama África’, de Chico César”, conta Mauro.

O projeto Bixiga – Canções do Bixiga e de São Paulo, iniciado em 2017 pelo grupo Dona Yayá, tem como objetivo investigar o ambiente sonoro do bairro do Bixiga (localizado na região central de São Paulo) e de seu entorno. O repertório é composto de canções de nomes como Adoniran Barbosa (“No Morro da Casa Verde” e “Abrigo de Vagabundos”), Geraldo Filme (“Tradição”) e Kiko Dinucci (“São Jorge”).

Já Estação Tendal – 20 Anos de um CORALUSP Espalhado por Toda São Paulo é uma homenagem aos 20 anos de atividades do grupo Tendal e tem um programa de músicas que já fazem parte do repertório do coro, como “Que Baque É Esse” (Lenine), “Prende la Vela” (Lucho Bermúdez) e “Minha Missão” (João Nogueira e Paulo César Pinheiro).

A respeito da principal diferença entre os dois grupos do CORALUSP, o maestro Mauro Aulicino diz que ela se dá muita mais pela questão da localização de cada um deles na cidade do que pelo número de integrantes ou pela formação de repertório. “Ambos os grupos estão localizados fora da Universidade de São Paulo (USP). Mas o Tendal, por estar instalado no Espaço Cultural Tendal da Lapa (Zona Oeste de São Paulo), que fica ao lado de duas estações de trem e de um terminal de ônibus, acaba recebendo pessoas de toda a cidade”, conta Mauro. “Isso favorece a presença daqueles que moram em bairros que se situam além do centro expandido. Então, o grupo tem o privilégio de acolher pessoas da cidade inteira.”

Sobre o maestro Mauro Aulicino

Natural de São Paulo, Mauro iniciou seus estudos de música com Edna Baldassi, Roberto Vergal, Pedro Cameron (violão) e Laura Abrão (harmonia). Posteriormente, estudou flauta transversal com Toninho Carrasqueira [Universidade Livre de Música (ULM)] e José Ananias (Escola Municipal de Música), participando da Orquestra Jovem do Estado. Graduou-se em composição e regência pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) e foi professor de música na Escola Técnica Federal de São Paulo e de estruturação musical no Unifai – Centro Universitário Assunção. Desenvolveu atividades em oficinas culturais da Secretaria de Cultura do Estado e Município de São Paulo e da Estação Especial da Lapa (alunos especiais) e lecionou harmonia, contraponto e composição no Centro Ecumênico de Formação e Atualização Litúrgico-Musical (Celmu). Iniciou-se profissionalmente na regência dirigindo o Coral da Faculdade de Odontologia da Unesp, sob orientação de Samuel Kerr. Ingressou no CORALUSP em 1998; desde 2002, é regente do grupo Tendal e, posteriormente, do Dona Yayá.

Música no Foyer | CORALUSP [com interpretação em Libras]
sexta 29 de junho de 2018
às 21h
[duração aproximada: 60 minutos]

Entrada gratuita [a apresentação será no foyer do Auditório Ibirapuera]

[livre para todos os públicos]

abertura da casa: 90 minutos antes do espetáculo


 

Veja também

A cena negra em foco

O chamado teatro negro brasileiro nasceu da conscientização de que a ausência de negros e negras nos palcos não era uma questão individual, pessoal, de incapacidade, mas estrutural e coletiva. Para problemas coletivos, soluções coletivas