Pouco mais de um mês depois de o incêndio do Museu Nacional, no Rio de Janeiro, ter trazido à tona um forte debate a respeito de políticas culturais e memória, o Brechas Urbanas discute, no dia 31 de outubro, a presença e a relevância desses equipamentos públicos na atualidade.

Mediada pela jornalista Natália Garcia, a conversa conta com a participação de Adriana Valderrama López, diretora do Museo Casa de la Memoria, da Colômbia, e Maria Ignez Mantovani, diretora da Expomus, empresa de assessoria museológica.

Apresentada mensalmente na sede do Itaú Cultural, a série Brechas Urbanas reúne convidados das mais diversas áreas para pensar a vida na cidade.

Brechas Urbanas – o Papel dos Museus nas Cidades Contemporâneas
quarta 31 de outubro de 2018
às 20h
Sala Multiúso (piso 2) – 100 lugares

[duração aproximada: 120 minutos]

distribuição de ingressos
público preferencial: uma hora antes do evento | com direito a um acompanhante – ingressos liberados apenas na presença do preferencial e do acompanhante
público não preferencial: uma hora antes do evento | um ingresso por pessoa

[livre para todos os públicos]

Veja também

Grafite e memória

O grafite é uma realidade incontestável na maioria dos grandes centros urbanos. Por meio da escrita e dos desenhos em muros, pontes e prédios, os artistas ou interventores de rua expressam ideias, sentimentos e posicionamentos políticos

Onde encontrar a memória da cidade?

Uma conversa sobre os modos de representar e recordar as vivências urbanas a partir do debate entre as artistas We’e’na Tikuna e Claudia Jaguaribe