14 texto

Solo da atriz, dramaturga e diretora mineira Grace Passô, que também assina o texto, a peça Vaga Carne é um campo de jogo entre palavra e movimento. Nela uma voz é o personagem e um corpo de mulher é o cenário para a procura de suas identidades e de pertencimento.

Capaz de invadir qualquer matéria sólida, líquida ou gasosa, mas sem nunca ter habitado um corpo de mulher antes, essa voz passa a narrar o que sente enquanto sujeito e enquanto construção social, a partir da percepção de como é vista por outros corpos.

Apesar de manter o mesmo texto desde 2016, quando estreou, a peça passa por mudanças a cada apresentação a partir do encontro com a plateia. E vale dizer: o público aqui não é apenas espectador dessa voz-personagem que guia a performance, ele é também provocado por ela. “Endereço a palavra e minha presença a ele [ao público] escancaradamente, tento engajá-lo a gritar e a enxergar as próprias materialidades”, comenta Grace.

Tendo passado por diversos estados e festivais, a peça já foi vencedora de prêmios como Cesgranrio e Shell de Teatro, ambos na categoria Melhor Texto.

Vaga Carne [com interpretação em Libras]
sexta 22 a domingo 24 de junho de 2018
às 20h (sexta e sábado) e às 19h (domingo)
[duração aproximada: 50 minutos]
Sala Multiuso (piso 2) – 100 lugares

Entrada gratuita

[classificação indicativa: 14 anos]

distribuição de ingressos
público preferencial:
uma hora antes do espetáculo, com direito a um acompanhante – ingressos liberados apenas na presença do preferencial e do acompanhante
público não preferencial: uma hora antes do espetáculo, um ingresso por pessoa

Clique aqui para saber mais sobre a distribuição de ingressos.

Veja também
Highlight large cia dos comuns candaces 01 foto ier c3 8a ferreira

A cena negra em foco

O chamado teatro negro brasileiro nasceu da conscientização de que a ausência de negros e negras nos palcos não era uma questão individual, pessoal, de incapacidade, mas estrutural e coletiva. Para problemas coletivos, soluções coletivas