De setembro a dezembro deste ano acontece na capital paulista a 33a Bienal de Arte de São Paulo, que, sem ter uma temática rígida, reúne 12 projetos individuais e 7 mostras coletivas organizadas por artistas-curadores. É sobre esse evento que irá se debruçar o workshop Vislumbres Potencialmente Libertadores no Sistema da 33a Bienal de São Paulo.

Conduzida pelo pesquisador e artista visual Bruno Moreschi, a atividade será realizada no mês de novembro, ao longo de três encontros, que misturam ações teóricas e práticas, incluindo uma visita à bienal – para a qual disponibilizaremos transporte* – e experimentações com inteligência artificial e escaneamento de obras de arte em 3D. Nesses encontros, os participantes serão estimulados a compreender a exposição para além dos discursos oficiais apresentados pela instituição e a criar suas próprias leituras da mostra.

Parte dos "registros decodificados" realizados para o projeto Outra 33 Bienal de São Paulo

Os exercícios de compreensão da bienal serão coordenados por uma rede de colaboradores. Além de Bruno, que coordena o projeto Outra 33 Bienal de São Paulo – o trabalho é um dos projetos individuais expostos na mostra –, compõem a equipe o pesquisador Gabriel Pereira, da Universidade de Aarhus (Dinamarca), o cientista da computação e programador Bernardo Fontes e os artistas e educadores Dalida Maria Benfield e Christopher Bratton, cofundadores do Centro de Artes, Design e Pesquisa Social (Estados Unidos). O evento contará com tradução consecutiva (inglês/português).

Os trabalhos serão realizados coletivamente, de forma livre e horizontal. O workshop é destinado a educadores, professores, artistas e demais interessados em educação, memória e arquivo nas artes visuais. Acontece em parceria com a Fundação Bienal de São Paulo e é oferecido pelo Entreolhares, programa de formação em artes visuais promovido pelo Itaú Cultural, que chega à sua última edição deste ano.

Confira as atividades que serão realizadas em cada dia:

1o encontro Sala Vermelha, Itaú Cultural (27 de novembro, das 18h30 às 22h)
Apresentação coletiva do projeto Outra 33 Bienal de São Paulo. Definição das ações que serão realizadas em conjunto no workshop de acordo com o perfil dos participantes.

2o encontro Visita experimental à Bienal de Arte de São Paulo (28 de novembro, das 18h30 às 22h) | ponto de encontro/retorno – Itaú Cultural
Os participantes serão incentivados a coletar materiais, registrar a bienal de diferentes formas (através de fotografias, sons, vídeos, desenhos), conversar com funcionários etc. Parte da visita será realizada em um período em que a exposição estará fechada ao público.

3o encontro Sala Multiúso, Itaú Cultural (29 de novembro, das 18h30 às 22h)
Experiências práticas com os materiais coletados em um espaço de trabalho coletivo. Os participantes serão divididos em grupos de acordo com seus interesses.

Inscrições

São 25 vagas. Para participar, inscreva-se até 7 de novembro por este formulário. A lista dos selecionados será divulgada no dia 21 de novembro aqui no site – a equipe do Itaú Cultural entrará em contato com cada um dos selecionados para confirmar a inscrição, e em caso de desistência a lista de espera será ativada.

As vagas serão preenchidas a partir de critérios que englobam a adequação da proposta às expectativas apresentadas pelos participantes, assim como a formação de um grupo diversificado e multidisciplinar, com diferentes experiências.

*Menores de 18 anos só poderão fazer a visita mediante a autorização dos pais ou acompanhados de um responsável.

Entreolhares – Vislumbres Potencialmente Libertadores no Sistema da 33a Bienal de São Paulo [com possibilidade de interpretação em Libras e audiodescrição, caso solicitado]
terça 27 a quinta 29 de novembro de 2018
às 18h30
[duração aproximada: 210 minutos]
Sala Vermelha (piso 3) e Sala Multiúso (piso 2)

Entrada gratuita (25 vagas) – inscrições de 25 de outubro a 7 de novembro, neste link
[divulgação dos selecionados no dia 21 de novembro]

[livre para todos os públicos]

Veja também

O dia depois do museu

Depois de três anos de encontros pelo mundo, curadores se reuniram no âmbito na Bienal de Berlim para pensar em propostas para a seguinte pergunta: se todos os museus do mundo e suas respectivas coleções fossem destruídos, qual seria o museu do futuro?