Antes de realizar uma série de apresentações de Palavra de Stela, em que dá voz e corpo à história de Stela do Patrocínio, a atriz Cleide Queiroz participa de um bate-papo sobre seus mais de 50 anos de carreira. A conversa tem mediação de Valmir Santos, jornalista, crítico e mestre em artes cênicas pela Universidade de São Paulo (USP).

A atriz estreou profissionalmente na Cia. Paulo Autran, em 1969, com Morte e Vida Severina, de João Cabral de Melo Neto, e sob a direção de Silnei Siqueira. Participou de diversos espetáculos – como os do Teatro Popular do Sesi: O Poeta da Vila, A Falecida, O Santo Milagroso, Chiquinha Gonzaga e O Mambembe – e de programas de televisão; também atuou no cinema.

Em 2001, foi indicada para o Prêmio Shell de Melhor Atriz por Gota d’Água, espetáculo dirigido por Gabriel Villela.

Camarim em Cena com Cleide Queiroz [com interpretação em Libras]

quinta 7 de junho de 2018
às 16h
[duração aproximada: 90 minutos]
Sala Multiúso (piso 2) – 40 lugares

Entrada gratuita

distribuição de ingressos
público preferencial: uma hora antes do espetáculo, com direito a um acompanhante – ingressos liberados apenas na presença do preferencial e do acompanhante | público não preferencial: uma hora antes do espetáculo, um ingresso por pessoa

[livre para todos os públicos]

Veja também

Palavra de Stela

O espetáculo relembra a história de Stela do Patrocínio
onde: Itaú Cultural

A cena negra em foco

O chamado teatro negro brasileiro nasceu da conscientização de que a ausência de negros e negras nos palcos não era uma questão individual, pessoal, de incapacidade, mas estrutural e coletiva. Para problemas coletivos, soluções coletivas