Em março de 2017, o Itaú Cultural realizou o Seminário Memória, Resistência e Políticas Culturais na América Latina. O evento reuniu pesquisadores, gestores culturais, artistas e ativistas do continente latino-americano em quatro mesas de debate e um workshop. Durante esse ciclo, o Observatório conversou com alguns dos participantes sobre a importância das políticas culturais para a memória, além de conhecer mais a atuação particular de cada um.

A primeira entrevista foi feita com Márcio Farias, coordenador do Núcleo de Pesquisa e Estudos Afro-Americanos (Nepafro). Ele comenta os desafios da preservação da memória afro no Brasil e analisa instrumentos dessa luta, como o samba e a roda de samba. Você pode conferir a conversa aqui.

Na segunda entrevista, Sonia Troitiño, coordenadora do Centro de Documentação e Memória da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Cedem/Unesp), fala sobre a importância de políticas culturais voltadas para a memória e sobre a atuação da instituição em que trabalha como equipamento cultural.

Sonia Troitiño é doutora em história social pela Universidade de São Paulo (USP), tendo desenvolvido pesquisa nas linhas de historiografia e documentação. Possui graduação em história também pela USP e já atuou como diretora do Centro de Arquivo Permanente do Arquivo Público do Estado de São Paulo. É professora do Departamento de Ciências da Informação da Faculdade de Filosofia e Ciências da Unesp de Marília, nos cursos de arquivologia e biblioteconomia.

Veja também

Futebol & memória: reconstituição de um projeto de pesquisa

De autoria do professor e pesquisador Bernardo Buarque e da diretora de conteúdo do Museu do Futebol, Daniela Alfonsi, texto é uma breve pílula sobre o projeto de pesquisa realizado pelo Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea (CPDOC) em parceria com o Museu do Futebol