A história por trás dos turbantes do Ilê Aiyê é tema de uma oficina comandada por Dete Lima, uma das fundadoras do bloco afro, e Catarina Lima, produtora do Ilê.

Veja também:

>>Ocupação Ilê Aiyê
>>Oficina estimula consciência corporal através da dança
>>Documentário conta a história do concurso que elege a rainha do bloco

Durante a atividade, as convidadas irão ensinar técnicas para montagem dos famosos turbantes do bloco. O público receberá um kit para a confecção de seus próprios acessórios, e as crianças que participarem devem estar acompanhadas pelos seus responsáveis.     

Fundado no dia 1o de novembro de 1974, em Salvador (BA), e composto exclusivamente de pessoas negras, o bloco surgiu em um contexto de proibição velada de os negros desfilarem no circuito de Carnaval da cidade. Hoje o Ilê é conhecido internacionalmente e mantém sólido o que esteve por trás de tantos anos de atuação: a ação afirmativa da raça e o projeto de pesquisa e informação sobre o valor dos povos de origem africana e suas reverberações em costumes como a poesia, a música, a dança e o vestuário.


Oficina de Turbante [com interpretação em Libras]
sábado 15 e domingo 16 de dezembro de 2018
às 14h
[duração aproximada: 90 minutos]
Sala Multiúso (piso 2) – 30 lugares

Entrada gratuita – inscrições a partir das 13h30

[livre para todos os públicos]

Veja também