Mekukradjá
Arlindo Baré sorri para a foto. Usa camiseta e um colar.
imagem: Divulgação

Arlindo Baré – Mekukradjá

Coordenador do Coletivo de Acadêmicos Indígenas da Unicamp, Arlindo fala sobre a importância da autonomia dos povos originários relacionada à educação indígena
O entrevistado está no canto direito da imagem, com um chapéu de aba larga. Ele sorri. Tem bigode e barbicha.
imagem: Divulgação

Gilmar Galache – Mekukradjá

O cineasta e educador Gilmar Galache fala sobre a criação e os preceitos da Associação Cultural de Realizadores Indígenas (Ascuri), que valoriza o processo mais que o produto final
Homem indígena jovem aparece com um leve sorriso no rosto. Ele usa óculos de grau e cabelos lisos, escuros e curtos. Está de camisa estampada.
imagem: divulgação

Ytanajé Cardoso – Mekukradjá

“Eu espero que, em algum momento, nós, escritores indígenas, sirvamos de referência aos nossos jovens”, afirma Ytanajé Cardoso em depoimento ao podcast Mekukradjá
Retrato de Irineu Nje'a do ombro para cima. Ele está de chapéu, tem uma pintura no rosto e olha sério para a frente. A foto está em preto e branco. O fundo é amarelo e do lado direito há a aplicação do logo do Mekukradjá IC.
imagem: Arquivo pessoal

Irineu Nje'a – Mekukradjá

“Estamos na guerra da escrita, da eternização da história dos ancestrais”, diz o professor e antropólogo no segundo episódio da sexta temporada do podcast
Mulher indígena com cocar e o rosto pintado segura um microfone. Ela aparece de lado, fazendo um discurso.
imagem: divulgação

Telma Taurepang – Mekukradjá

“As mulheres indígenas ao longo destes 520 anos continuam a lutar para sua sobrevivência”, diz Telma Taurepang na estreia da sexta temporada do podcast Mekukradjá
Fotografia da rapper Katú Mirim com um filtro amarelo aplicado sobre a imagem. Ela está do lado direito da foto, tem cabelo comprido e escuro, piercing no septo, tatuagem no pescoço, está de camiseta estampada, com colar, bandana e boné. Do lado esquerdo da imagem está escrito Mekukradjá IC.
imagem: divulgação

Katú Mirim – Mekukradjá

“Existe uma memória que está no nosso DNA, e essa memória eu acredito que ninguém nega e não tem como você esconder isso”, disse a rapper
Foto de Célia Tupinambá, professora e ativista indígena. A imagem está com um filtro amarelo referente ao podcast Mekukradjá.
imagem: divulgação

Célia Tupinambá – Mekukradjá

“A mulher sofre duas vezes, três vezes, muito mais quando seu território está sendo violado, atacado, suas lideranças ameaçadas”, disse a professora
Ely Macuxi – Mekukradjá
imagem: Divulgação

Ely Macuxi – Mekukradjá

O escritor e educador Ely Macuxi fala da relação entre a tecnologia e os povos indígenas, especialmente da internet, importante ferramenta para articulação das lutas dos povos originários
Daniel Munduruku é um homem indígena, de mais de 50 anos. A foto é de close, ele está de frente, sorrindo. Ele usa uma faixa cobrindo a testa e seus cabelos são longos e compridos.
imagem: acervo pessoal

Daniel Munduruku – Mekukradjá

“As pessoas olham para mim e veem o tal do índio, que é o que está no imaginário delas, mas aquele que eu sou efetivamente ou aquilo que eu trago dentro de mim não tem nada a ver com essa palavra”
Ariel tem cabelos longos, que caem sobre os ombros. Sua expressão é séria. A fotografia é recoberta por um filtro amarelo e à esquerda do convidado está o logo do Mekukradjá.
imagem: Agência Ophelia

Ariel Ortega – Mekukradjá

Documentarista e integrante do Coletivo Mbya Guarani de Cinema, Ariel Ortega fala da sétima arte e da importância da criação coletiva e de produzir narrativas sobre sua cultura